Ao avesso do que sempre ouviu dizer, descobriu que o amor, olhando bem de perto, era cheio de pequenos defeitos.

Divagou que, assim como um caleidoscópio, o amor seria a luz refletida nos estilhaços formando pequenos universos. Lindo em seu caos. É o olho do furacão e a soma de todas as incertezas.

Num lampejo de lucidez, viu que o amor é a desordem, o descontrole e tempestade. O amor é folgado e espaçoso, propagando-se por todos os cantos.

Compreendeu que o amor, feito do realizável, era erro e tropeço. E, fortalecido, o amor era o caminhar tangível e a possibilidade de voar.

Percebeu que o amor é o rio no qual permeiam dúvidas, carências, medos que não podem conter. É vida que segue, que flui. O amor é deixar-se levar pela correnteza, até virar mar.

Concluiu que o amor é como quem ama: perfeito em cada um de seus defeitos.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s