Sou feita de contradições. Imponho minhas regras pra depois romper. Não comporto limites e gosto de cruzar fronteiras, confundir meus rumos. Alguma coisa me inquieta e eu quero improváveis e impossíveis. Só funciono assim e vivo dando defeito.

Falo, logo penso e não existo. Transcendo o ser, porque já era sentimento antes mesmo da criação. Assumo minha carne, minha matéria, mas me reconheço é n’alma, no espirito livre que busca aflitivo respostas sobre o universo.

Sou meio bicho, meio homem. Totalmente amor, além do caos do mundo. Amo com cada poro do meu corpo e transpiro vida. Tanto e tanta que chega a doer. Aí, transbordo pelos olhos as intemperanças do querer. É que em mim excede o que falta em você.

Sou uma poça rasa em minhas verdades sem fundo. Aviso: é perigoso mergulhar no meu ser. Você pode acabar se afogando em mim. Nas profundezas restam ruínas da minha Atlântida particular. Um império abundante e fasto, de localização relativa, destruído por um vulcão ativo em tempos ancestrais.

Sou desastrada, falo pelos cotovelos. Prefiro pecar pelo excesso. Às vezes me falta prudência. Como consequência, cicatrizes aqui e ali, onde ninguém vê e só eu sinto. Não sinto por isso, me permito fluir, evoluir e, quiçá, retroceder ao estado primitivo do instinto. Não sei viver aos pouquinhos, afinal.

 

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s