Plena do que pode ser

150718-Plena do que pode ser

Aos poucos, meio que sem querer, você vai deixando de me fazer falta… de um jeito meio estranho e desatento, você vai indo embora um pouquinho a cada amanhecer e eu vou me acostumando com a ausência. Do seu cheiro, do seu corpo, do seu sorriso, das suas palavras e dos nossos vícios. O tempo vai passando e os meses agora parecem anos…

A sua distância me aproxima do meu centro e das minhas verdades. Como pude me abandonar? No meu resgate, você vai indo, um tanto mais sem eu perceber. Do seu silêncio e da sua ausência vou tecendo um novo jeito de viver. De dentro pra fora. Vou me acostumando com a falta, a saudade é uma sentimento que não tem mais razão de ser.

Nossos dias vão me escapando, são miragens distorcidas do que – agora eu sei – não quero ser. Ao contrário de todas as probabilidades, não sou o resultado das suas escolhas e o que vivemos não me define, tampouco me limita. Uma pequena parte, mas não o todo, indo vou além, muito além de você.

Estou derrubando fronteiras, rompendo paradigmas, me descobrindo infinitamente maior do que imaginava. Plena de mim, plena do que pode ser. O amor está aqui, em mim, e a ele dou novas formas e possibilidades. Novos sonhos batem a minha porta e caminhos vão se abrindo diante dos meus pés. Ganho asas e, estrada a fora, os dias se colorem. Eu, incansável, me desfaço dos restos de você. Talvez eu tropece nos meus passos tortos e na liberdade que despenteia meus cabelos, mas sigo, sem pressa de chegar.

Depois da tempestade, o sol seca as lágrimas e me faço terra fértil. Floresço, a despeito das impossibilidades. Vivo, logo insisto e resisto. Sua falta me traz completude e eu fico a vontade em minha companhia. Não sou pequena, não sou sua, mas do mundo, que me convida para o próximo ato. Tudo é belo nesse horizonte que me abraça me acarinha e me traz, de volta, ao centro de mim.

Da janela do meu quarto um novo horizonte. Começo a acreditar mais no que está por vir no que já passou. Renovo minhas esperanças, lambo minhas feridas e resgato sonhos… toda dor é ínfima diante da imensidão do futuro que me sorri. Dobro a esquina, o vento em meus cabelos, vibro e espero o melhor acontecer.

Você, indo ou vindo, tanto faz. Seu amor não me cabe mais. Sou inteira sem você. Pronta para ser o que tiver de ser.

 

 

Um comentário sobre “Plena do que pode ser

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s