Um homem que veio do mar e trouxe novas notícias de mim, redefiniu meu ser.  Me ofereceu seu pedaço de mundo e eu lhe ofereci minhas terras. Conheci a felicidade despretensiosa de dar e receber, sem pedir nada em troca.

Provei o agridoce de um amor sem perguntas, justificativas, sem promessas. Não precisei de nome, endereço, identidade, cep e cpf, nem contrato pré-nupcial.

Foi um amor que se identifica e se manifesta pela troca de olhares, pelo eco da voz do outro faz dentro da gente. Tivemos nos braços a felicidade em doses maciças, cavalares, absurdas.

Vivi apenas a amplitude do sentir, transcendendo explicações. Juntos fomos fome, instinto, vontade, desejo, suor, sal e pele. Seu gosto, minha boca. Suas mãos, meus vãos. Seus olhos, meu reflexo, mistura homogênea e volátil, ainda que etérea.

Um homem que veio do mar e trouxe aquela certeza de que tinha que ser, não importando o que viria depois. Fomos o agora. O instante da completude, o raro momento do encontro. Assim nos eternizamos.

 

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s