Enlouqueceu. Entre o silêncio e o medo. Entre as entrelinhas tortas e os passos trôpegos, enlouqueceu. Entre os vazios do dia e as noites insones. Entre a lágrima e o riso, vestígios e resquícios de uma vida pendente, enlouqueceu.

Enlouqueceu. Entre o tiro que pegou de raspão e o amor que acertou em cheio, ficando alojado no seu coração. Entre o passado e a espera infinita, refém do tempo. Espremida entre uma vida aparentemente perfeita e os desvios de conduta, enlouqueceu.

Enlouqueceu. Sufocando a dor com analgésicos e grandes goles, nos vícios e nas virtudes. Fechando portas, quebrando pratos, gritando em silêncio. Entre a dor de cabeça e a do coração, enlouqueceu.

Enlouqueceu. Saltando em seu abismo sem fim e se perdendo nos seus labirintos secretos. Entre a fé e as preces não ouvidas. Nos suplícios e soluços. No quarto vazio, na alma presa, na vida pouca, enlouqueceu.

Enlouqueceu. Entre os braços estendidos e os pulsos cerrados. Entre fantasmas e alucinações, a desculpa e o perdão, na contramão da sua vida e do coração. Entre as lembranças e os delírios, no corpo em cólera de ausências, enlouqueceu.

Enlouqueceu na sua solidão, na sua indiferença. Entre suas impossibilidades e esmolas, na fome da alma e nas marcas do corpo. Enlouqueceu na sua sanidade, enlouqueceu.

Um comentário sobre “Louca

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s