Enlouqueceu. Entre o silêncio e o medo. Entre as entrelinhas tortas e os passos trôpegos, enlouqueceu. Entre os vazios do dia e as noites insones. Entre a lágrima e o riso, vestígios e resquícios de uma vida pendente, enlouqueceu.

Enlouqueceu. Entre o tiro que pegou de raspão e o amor que acertou em cheio, ficando alojado no seu coração. Entre o passado e a espera infinita, refém do tempo. Espremida entre uma vida aparentemente perfeita e os desvios de conduta, enlouqueceu.

Enlouqueceu. Sufocando a dor com analgésicos e grandes goles, nos vícios e nas virtudes. Fechando portas, quebrando pratos, gritando em silêncio. Entre a dor de cabeça e a do coração, enlouqueceu.

Enlouqueceu. Saltando em seu abismo sem fim e se perdendo nos seus labirintos secretos. Entre a fé e as preces não ouvidas. Nos suplícios e soluços. No quarto vazio, na alma presa, na vida pouca, enlouqueceu.

Enlouqueceu. Entre os braços estendidos e os pulsos cerrados. Entre fantasmas e alucinações, a desculpa e o perdão, na contramão da sua vida e do coração. Entre as lembranças e os delírios, no corpo em cólera de ausências, enlouqueceu.

Enlouqueceu na sua solidão, na sua indiferença. Entre suas impossibilidades e esmolas, na fome da alma e nas marcas do corpo. Enlouqueceu na sua sanidade, enlouqueceu.

Um comentário sobre “Louca

Deixe uma resposta para Dad Cancelar resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s